Como vai o negócio de automóveis em Angola

A nova medida tomada recentemente pelo Governo Angolano que estabelece a importação de viaturas usadas com até dez anos de fabrico tem sido aplaudida pelos vendedores de automóveis de Luanda.

O difícil acesso à moeda estrangeira é, na generalidade, apontado como factor que pode continuar a dificultar a saída da crise que grassa pelo sector.

O representante da Organização Amigo Car, Artur Neves, disse que a medida é boa e satisfatória, mas o Executivo tem de definir políticas que facilitam a aquisição de moedas estrangeiras e transferências bancárias para os empresários que apostam neste negócio.

Artur Nunes defendeu que seja implementado o sistema antigo, onde os comerciantes a partir do estrangeiro solicitavam facturas pro-formas que eram franqueadas pelo Ministério do Comércio e depois enviadas para os bancos, para se efectuar a transferência.

“O sistema de transferência tem de ser facilitado, porque comprar moeda estrangeira na rua não compensa no negócio. Só com estas medidas,  poderemos vender os carros a preços mais baixos e assim aumentaria o poder de compra dos cidadãos”, disse o comerciante.

O decreto presidencial define que podem ser importados veículos automóveis usados para uso próprio, fora dos limites da primeira matrícula averbada, do seu fabrico e anos de utilização, entre outros.

A nova medida, vem dar fim a outra que foi decretada em Julho de 2010, pelo Governo, que  proibia a importação de viaturas com mais de três anos de uso (ligeiras) e seis anos (pesadas), por considerar que o seu estado técnico contribuía para a poluição ambiental, proliferação de sucatas e aumento de acidentes.

O novo decreto presidencial faz alusão a veículos que, pelo seu valor ou uso, podem ser classificados como peças de colecção ou exibição, de acordo com diploma específico e a outros com mais de 30 anos de fabrico, importados para fins culturais, além dos que tenham sido doados a instituições sem fins lucrativos, devidamente reconhecidas, ou adquiridos por herança.

Comentários