Protteja Seguros cresce 25% e investe no corporate

Por Estêvão Martins 

estevao.martins@mediarumo.co.ao

A Protteja Seguros prevê crescer 25% até ao fim do ano, tal como em 2017, e tem o seu foco virado para o segmento corporate, assim como para a melhoria dos serviços ao cliente, revela o director comercial da companhia.

Pedro Galha destaca que, neste segundo semestre, a Protteja Seguros está em linha com os objectivos traçados no início do ano, e que o crescimento previsto se adequa à actual situação de crise económica do País. Segundo disse, a companhia tem prestado atenção especial ao segmento corporate com ofertas à medida do cliente. Prova disso, refere, é o crescimento que neste ano tem havido a nível do seguro de saúde e frota automóvel.

Contudo, Pedro Galha nota que a companhia tem registado igualmente grande adesão de particulares ao seguro de saúde e também automóvel. Para este ano, um dos grandes investimentos da seguradora tem que ver com a melhoria do sistema informático, que, explica, vai fazer com que se preste um melhor serviço ao cliente.
Por outro lado, a consolidação da imagem institucional, de acordo com o director comercial, está entre os principais desafios para este ano, que vai culminar com o desenvolvimento de uma vasta campanha publicitária nos meios audiovisuais do País. Em relação ao ano transacto, Pedro Galha acentuou que a Protteja Seguros continuou na senda do crescimento e da consolidação da sua posição no mercado, mantendo-se a meio do ranking no que diz respeito ao volume de prémios, correspondente a 2 mil milhões Kz. Mais uma vez, destaca Pedro Galha, os produtos saúde, automóvel e acidentes de trabalho foram os que mais cresceram. A abertura da loja no Lar do Patriota foi um dos grandes projectos realizados pela companhia no ano passado.

O crescimento de 25% registado no ano findo, face a 2016, é de longe inferior ao de mais de 1000% observado entre 2015 e 2016, e Pedro Galha justifica o porquê. Conforme disse, a Protteja Seguros em 2015 estava no seu primeiro ano de actividade, e no ano a seguir teve um boom no negócio, devido aos vários investimentos e a um grande trabalho de equipa.

Em relação à renovação de apólices, Pedro Galha assinala que a Protteja Seguros tem conseguido manter mais de 90% da carteira de clientes no segmento corporate. Para o responsável, os clientes particulares são mais voláteis, fundamentalmente no seguro automóvel, uma vez que apenas fazem a renovação da sua apólice ou novas subscrições sob pressão das autoridades.

Expansão

Pedro Galha precisou também que a seguradora tem trabalhado com uma unidade móvel que esteve recentemente na FILDA, em Luanda, que vai ser deslocada nas próximas semanas para o interior do País, dando início ao programa de expansão da companhia. Em relação ao seguro de saúde, a Protteja Seguros trabalha com a Medi Plus, que gere os planos de saúde da companhia. Pedro Galha diz que as reclamações de alguns clientes com relação aos serviços das prestadoras de serviço têm às vezes que ver com duas situações: De acordo com o entrevistado, a primeira situação prende-se com o desconhecimento do cliente sobre aquilo que está ou não coberto pelo cartão, além do seu plafond. “É importante que o cliente saiba da utilidade do seguro de saúde, que serve apenas para cobrir um sinistro de saúde, e não para prevenirmos situações de doenças, como fazer checkups, por exemplo”, disse. Pontualiza que muitos doentes vão ao médico, que passa uma panóplia de exames sem algum sintoma aparente, com o intuito de beneficiar a clínica. Reafirma que este tipo de situação não está nas condições do seguro, por não haver uma alteração do estado de saúde do cliente. “Trata-se de um abuso das clínicas na utilização do seguro de saúde, e o que acontece é que o segurado gasta o seu plafonddes necessariamente e, quando precisar de usar o cartão para questões de saúde efectivamente graves, pode dar-se o caso de já não ter plafond para tal”, explica. A única exclusão para estes casos são as grávidas, por não se tratar de uma doença, mas de uma alteração física.

Comentários