Especialista propõe crédito sustentado na folha salarial

Por: Quingila Hebo

O advogado e consultor português Pedro Rebelo de Sousa propõe aos bancos comerciais angolanos a aposta em serviços bancários inovadores, como o crédito sustentado na folha de salário, que consiste em conceder empréstimos a colaboradores de companhias com uma boa reputação ou a funcionários públicos, através de um protocolo que permite a dedução da prestação logo na folha salarial do mutuário.

Para isso, o empréstimo é calculado em função do valor líquido que cada trabalhador efectivamente recebe e a taxa de crédito é negociada entre o banco e as empresas empregadoras e não com o colaborador/usufrutuário do crédito.

Considera que, como o microcrédito permite levar os benefícios da actividade bancária às populações mais desfavorecidas, o maior desafio que os bancos africanos, em geral, e angolanos, em particular, têm pela frente quando se trata de bancarizar as franjas mais vulneráveis da sociedade, prende-se com a dificuldade de gerir o risco de crédito a elas associado.

Para driblar estes desafios, assim como devem proceder com empresas, propõem aos bancos emprestar dinheiro a comunidades de pessoas e não a indivíduos. “Emprestando à comunidade, conseguimos minimizar o risco de crédito, porque conseguimos responsabilizar um grupo de pessoas, cujo respeito entre elas e perante a comunidade é muito maior que o respeito que alguma vez terão pela instituição de crédito e utilizamos esse respeito, e a vergonha de falhar (que prejudica todo o grupo diante da comunidade), como garante pelo pagamento das prestações”, observou Pedro Rebelo de Sousa, quando decertava no Fórum Banca em Análise da Deloitte sobre o tema Corporate Governance: Desafios e Oportunidades.

O consultor diz que um acordo de distribuição de microcrédito com as estruturas tradicionais em que o chefe/ancião/mãe de família se torna responsável pela cobrança das prestações dos créditos de cada membro da comunidade, com direito a uma comissão, reduz as margens de incumprimento dos mutuários.

Leia mais na edição 176, já nas bancas!

Comentários