BPC: processo de reestruturação corre a bom ritmo

Cerca de catorze agências do Banco de Poupança e Créditos (BPC) foram encerradas em algumas províncias do país, no quadro do processo de reestruturação que decorre naquele instituição.
Em declarações aos jornalistas à margem da Expo-Huíla, o presidente do Conselho de Administração do Banco, Alcides Safeca, referiu que o processo vai continuar nas demais províncias,  e no sul será encerrada uma agência em cada capital de província.
Ainda no quadro da reestruturação, referiu que o processo inscreve acções no domínio da governação, situação que está a acontecer a nível das unidades orgânicas e dos processos dentro do banco, exigindo um maior rigor nas acções dos colaboradores, para que sejam mais eficientes e  sirvam da melhor forma possível os seus clientes.
Entretanto, para além da governação, do saneamento da carteira ao nível do balanço do banco e das acções de optimização de custos, o BPC, segundo Alcides Safeca, prevê o despedimento de pessoal.
“Estamos a cumprir plenamente com o que foi aprovado pelos accionistas e reforçado na assembleia geral. Estas agências tinham encargos e quase todas eram arrendadas”, continuou o gestor.
O processo de reestruturação do BPC está a correr a “bom ritmo”, pois se no passado havia um volume de crédito malparado considerável, o processo de venda à Recredit já finalizou em Junho último, por isso mesmo é que está-se a relançar a actividade de concepção de crédito.
Comentários