BPC exige das empresas 20% de comparticipação do financiamento do BAD

Empresários ligados a pequenas e médias empresas (PME) interessados na linha de financiamento de 325 milhões de dólares do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) devem avançar 20 por cento do valor global dos empréstimos que solicitarem.

A linha de crédito, repassada aos clientes pelo Banco de Poupança e Crédito (BPC), no âmbito do acordo estabelecido com o BAD em 2017, foi lançada na província da Huíla, durante a “Expo Huíla 2018”, realizada em Agosto último.

Até o momento, o BAD já disponibilizou a primeira tranche de 120 milhões de dólares, estando prevista a segunda para breve. Em declarações à imprensa, o director de Marketing do BPC, Manuel Júnior, referiu que a comparticipação serve para alavancar o próprio projecto e mitigar os riscos de financiamento.

“Não existe, em parte nenhuma do mundo, um banco a financiar 100 por cento do projecto. Se um banco conceder um crédito habitacional, este vai financiar 70 a 80 por cento do valor solicitado”, sublinhou.

Cada empresário que apresentar o seu projecto, acrescentou, tem que dar garantias de 20 por cento do valor que está a solicitar, cumprindo deste modo com as normas internacionais e requisitos de financiamento que os bancos praticam.

Sem precisar o número de projectos que já deram entrada para habilitação ao financiamento, Manual Júnior disse que o BPC está a trabalhar para ajustar e analisar alguns projectos para a concessão do crédito.

Sublinhou que, tendo em conta o malparado, o BPC aposta em projectos que tragam resultados. “Não queremos projectos que possam perigar o próprio investimento e o esforço do BAD, BPC e do Estado”, declarou.

Comentários