Bancos ficam com bens de clientes que não pagaram dívidas

Por: Quingila  Hebo  

Os bancos comerciais recorrem cada vez mais à dacção em cumprimento como forma de saldar dívidas de clientes e reduzir o crédito malparado. O Millennium Atlântico apresentou o maior valor de bens de clientes obtidos através do processo de dacção em cumprimento no ano passado.

O Atlântico contabilizou 41,5 mil milhões Kz resultantes da operação de dacção em cumprimento de um terreno urbano no valor de 39,8 mil milhões Kz, quando em 2016 contabilizou apenas 1,6 mil milhões Kz, também correspondentes a um terreno urbano.

Dacção em cumprimento é uma solução mais ou menos pacífica entre o mutuário e o credor para passar para o credor um bem de valor superior ou igual para a cobertura da dívida sem recorrer à justiça.

Neste quesito, o BAI é o segundo banco que mais recorre ao bom senso das partes para activar as garantias dos clientes e cobrir o valor da dívida. Em 2017 contabilizou 19,1 mil milhões Kz resultantes da operação de dacção em cumprimento, sendo que em 2016 o valor foi 14,9 mil milhões Kz.

O BIC também consta entre os bancos que viram aumentar os casos de dacção em cumprimento. Em 2017 avaliou os bens recebidos de clientes no valor de 16,8 mil milhões Kz, um aumento de 6 mil milhões Kz comparado a 2016, ano em que registou 10,3 mil milhões Kz.

Em 2017 o BIC recebeu de clientes, seis edifícios comerciais, seis habitações, cinco terrenos urbanos, dois terrenos rurais e um edifício em construção. Tudo somado, os bens foram estimados em 19,4 mil milhões Kz. Entre os big five da banca angolana em termos de activo e crédito à economia, o Banco Económico(BE) também figura entre os bancos que recorrem à dacção para recuperar o crédito malparado.

Entretanto, no seu relatório de 2017, o BE não faz menção ao valor de bens de clientes que tenham resultado do processo de dacção em cumprimento. O último registo que há é de 2016, em que contabilizou 414 milhões Kz resultantes do processo de dacção em cumprimento.

Entretanto, no seu relatório de 2017, o Banco Económico refere que em 2016 encontravam-se penhorados a favor do BNA o montante de 75,3 mil milhões Kz da carteira de títulos do banco, tendo em Março de 2017, àquela entidade, sido entregues títulos no valor de 14,08 mil milhões Kz em dacção.

Leia mais na edição 176 do Jornal Mercado, já nas Bancas!

 

Comentários